sábado, 25 de dezembro de 2010

Merry Christmas.


Era noite de Natal. Sentada na beira da cama, a janela me permitia ver as luzes piscando de forma incessante e os flocos de neve que caíam vagarosamente, se difundindo com as cores da decoração lá de fora. Já eram quase onze horas da noite e eu nem ao menos havia me vestido, até que alguém bateu na porta e me disse que todos já estavam lá embaixo. Abri o guarda-roupas e puxei dele um vestido qualquer, levando-o até meu corpo e vestindo-o. Dei uma breve passada pelo espelho, apenas ajeitei os fios de cabelo com a própria mão e cocei os olhos, na tentativa de espantar qualquer indício de sono. Respirei, desliguei a televisão de desci.
A casa estava cheia. Haviam lá pessoas das quais eu nunca havia visto na vida, pessoas que pareciam ter brotado do chão. Passei quase que despercebida, a não ser quando uma senhora loira, cuja roupa brilhava mais do que minha própria árvore de Natal me barrou. Soltou um longo e alto "Nossa, como você cresceu!". Eu já deveria saber que haveria uma peça dessas na festa. Dei um breve sorriso e segui pela sala apenas distribuindo sorrisinhos cínicos como cumprimento às pessoas.
Me sentei na poltrona próxima a árvore decorada e fiquei ali, pensando longe, mas com os olhos presos às luzinhas que piscavam. Pensei em tantas coisas, em como minha vida mudara desde a última ceia e a forma como as coisas nela haviam ficado depois disso. Me lembrei de como houvera sido o Natal anterior. Nada se comparava àquele ano. Tudo ainda tinha sentido e era realmente divertido comemorar o Natal. E hoje? Ah, hoje estava tudo certamente diferente. Lembrar da vida que eu tinha naquela época, e que bruscamente mudara em apenas trezentos e sessenta e cinco dias me deixava um tanto quanto deprimida. Cada membro da família estava em um canto da cidade, e mal notícias tínhamos. Me diz se tem graça comemorar sem a família? Acredite, colegas de trabalho da sua mãe não substituem, nem de longe, sua familia. Não mesmo.
Desviei o olhar das luzes para a janela. Era relativamente grande a movimentação lá fora e os ponteiros do relógio mostravam que não faltava muito para a meia noite. Dei um último bocejo e uma última olhada pela janela até que a campainha anunciava já ser meia noite. Fechei meus olhos, idealizei o Natal em que eu gostaria que acontecesse e quando os abri, prometi a mim mesma que não mediria esforços para fazer da minha próxima ceia, a melhor de todas. Afinal, só eu poderia fazer com que as coisas acontecessem.

*texto fictício*

Beijos e me liga para contar da sua ceia de Natal :*

PS: Comente, deixe sua marquinha :)

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010


São Carlos, 24 de Dezembro de 2010.

Querido Papai Noel,

Acredito que pela primeira vez na vida, o que eu mais preciso não é de coisas materiais. Parando para pensar nesse ano que está prestes a terminar, eu vi que muita coisa boa aconteceu. Mas acho que preciso de mais para ser feliz. De que adianta eu vir aqui e pedir uma lista quilométrica de presentes, se a paz é o que eu não tenho? Se é a felicidade e o amor o que me falta?
Vou ser bem breve então: quero de presente muita paz, amor e felicidade. Só isso e mais nada.

Com carinho, Yasmin.

Remetente: Yasmin Vizeu, São Carlos, São Paulo, Brasil
Destinatário: Papai Noel, Pólo Norte.


PS: Então galerinha, desejo a todos vocês um natal maravilhoso, e tudo de bom :)
PS2: Comente, deixe sua marquinha :)

Surprise \o/



Minha amiga secreta -já sabem que é uma garota, então- é a dona de um blog maravilhoso. Eu já tinha passado pelo blog dela com um pouco de pressa, então não deu para fazer maiores comentários a respeito. E quando eu recebi o e-mail com o nome do meu amigo oculto, eu fiquei boquiaberta. Do tipo, "Nossa, não acredito que é ela!"
Eu adorei e fiquei muito feliz em ter tirado-a. E dessa vez eu passei com mais calma pelo blog dela e olhei quase tudo, mas ainda não fiz nenhum comentário e não segui para não levantar suspeitas de que eu a tinha tirado AISUAISUSAUI. Mas terminando o post eu volto lá.
Observando o blog e as postagens dele, eu pude perceber que quem o escreve, o faz muito bem. Postagens lindas e eu adorei. Tudo lá com a dose certa de sentimentos, que até chegam a te tocar de alguma forma.
Eu não sei o que mais dizer.... Não sou muito boa nisso, mas enfim. Adorei minha amiga oculta, adorei o blog dela e amei ter participado do Amigo Secreto.



E chegou a hora de revelar minha amiga secreta... tan tan tan taaaaaaaaan *suspense*
É a linda da Iorgama Porcely, do blog Sonho de uma Flauta. Parabéns pelo blog, querida!

Beijos e me liga pra contar do seu amigo secreto :*


PS: Essa foi uma brincadeira super legal que fizemos. Sorteamos os nomes e como presente deveriamos fazer um post para o nosso Amigo Secreto. Eu adorei *-*
PS2: Me lembrei de avisá-los sobre as postagens especiais de fim de ano. O esquema vai ser: para o Natal um texto de gênero aleatório no dia 24/12 e um conto no dia 25/12. No Reveillon, um conto no dia 31/12 e um texto no dia 01/01. Espero que gostem.
PS3: Comente, deixe sua marquinha aqui :)

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

O poder sobre você mesmo, na verdade não existe.




Isso não estava em meus planos. Me apaixonar, quero dizer. Não era uma coisa que eu queria, nem uma coisa que eu esperava e muito menos uma coisa que eu acreditava. Mas mesmo não querendo nada disso, no fundo eu sabia que iria acontecer, mas optei por seguir em frente na esperança de que eu estivesse errada. Naquela época, confiava tanto em mim mesma a ponto de pensar que poderia evitar qualquer tipo de sentimento, inclusive a paixão. Por que não foi amor o que eu senti, disso eu tenho a mais plena certeza. Tudo aquilo era paixão; você sabe quando não é amor. Era aquele sentimento de desejo, misturado com afeto, diluído em uma dose de carinho e com uma pitada de ciúmes.
Hoje eu vejo o que era o mais óbvio: eu estive apaixonada. Mesmo com todo mundo me apontando e dizendo que eu estava perdida na paixão, o que eu mais fazia era desmentir tudo e inventar mil argumentos que provassem aos outros que eu não estava sentindo aquilo. Simplesmente porque tudo que eu mais queria era convencer a mim mesma disso. Me convencer e convencer minha própria mente e meu coração de que eu não estava apaixonada, porque no fundo eu sabia que não deveria estar. Que certamente eu sofreria mais tarde. E sofrer também não estava em meus planos.
Não me arrependi de ter feito tudo que fiz. Porque, por maior que esteja sendo o meu sofrimento agora, eu posso erguer a cabeça e dizer que fiz o que eu mais queria naquela época, que fui feliz pelo menos naquelas horas que estivemos juntos. E acho que pela primeira vez na vida, eu não pensei duas vezes antes de fazer alguma coisa. Eu não me dei tempo para pensar e repensar em possíveis consequências, e talvez seja exatamente por isso que eu não me arrependo. Se não durou mais do que esperávamos, pelo menos me rendeu muitas lições.
E acredito que o que eu aprendi de mais valioso nisso tudo, é que não importa qual seja sua vontade, você não consegue brigar com o próprio coração. Independente das consequências e dos seus próprios princípios, o coração é extremamente não-influenciável. E tentar não acreditar em uma coisa que no fundo você sabe que é verdade, é o mesmo que enganar a si mesma.
E quanto ao sofrimento atual, já passei por isso inúmeras vezes e consegui me levantar mais forte do que nunca. Por que dessa vez seria diferente? Nada que o velho e bom tempo ou um novo amor não resolvam.

Beijos e me liga pra contar das vezes que tentou brigar consigo mesma :*

PS: Esse foi mais um graaaande desabafo, do que um post. Eu acho que precisava colocar isso para fora e assumir algumas coisas.
PS2: Essa semana eu resolvi entrar em clima de Natal no blog, tendo em vista que a minha família está tão desempolgada, que nem a típica árvore foi montada esse ano. Então nada melhor do que eu decorar pelo menos o meu cantinho :) Se alguém aí não gostou do layout, ou tem alguma sugestão, manifeste-se! Nada melhor do que a sua opinião para me ajudar :)
PS3: Comente, deixe sua marquinha aqui.

sábado, 11 de dezembro de 2010

Talvez seja essa a solução.


Esqueça da minha voz, esqueça do meu abraço. Esqueça do meu olhar e das minhas palavras. Esqueça onde eu moro, esqueça a cor do meu carro. Esqueça os meus gostos e minhas preferências. Esqueça dos meus medos, esqueça dos meus desejos. Esqueça de tudo que já passamos juntos e das loucuras que já fizemos. Esqueça de todas as nossas conversas, esqueça de todas as ligações perdidas. Esqueça de todos os SMS que já te mandei e das vezes que saí só pra te ver. Esqueça o número do meu celular, esqueça de todas as vezes em que eu te enchi o saco. Esqueça o meu e-mail e a minha rotina. Esqueça de tudo que um dia foi sussurrado em seu ouvido, esqueça de tudo que eu tenha te dito. Esqueça da primeira vez que nos vimos e do dia em que nos conhecemos. Esqueça nossas coisas em comum, esqueça de qualquer ligação que tenhamos. Esqueça nossos carinhos e nossos beijos. Esqueça que eu existi na sua vida e tudo que eu causei nela. Me esqueça primeiro, assim poderei viver em paz. Quem sabe assim eu consiga, enfim, esquecer de você.

Beijos e me liga pra contar o que você quer esquecer :*


PS: desculpem o intervalo grande entre cada postagem, é que ultimamente eu não ando bem nem pra escrever, mas enfim.....
PS2: Eu tava querendo mudar as coisas do blog para 2011, então se tem alguma alma caridosa por aqui que saiba fazer layouts bonitinhos e quiser fazer uma pessoa feliz, é só entrar em contato. Ficarei MUITO agradecida.
PS3: Comente, deixe sua marquinha aqui :)

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Hoje, só hoje.


Hoje eu queria te ver.
Hoje eu preciso te abraçar de qualquer jeito, nem que seja por um segundo.
Hoje eu queria te ver vindo do fim da rua, com um sorriso estampado no rosto que só você tem.
Hoje eu queria que você estivesse aqui, para enxugar todas as lágrimas que estou derramando.
Hoje eu queria ouvir meu celular tocar e ver que era o seu número.
Hoje eu queria te ouvir me chamar, ali no portão, na calada da noite.
Hoje eu preciso sentir você pegar na minha mão e segurá-la como se nunca fosse me deixar ir embora.
Hoje eu queria que você me abraçasse e me erguesse, como fez na última vez em que nos vimos.
Hoje eu preciso ouvir você sussurrar no pé do meu ouvido que eu sou linda e mesmo eu sabendo que não é verdade, acreditar em cada elogio que você me fazia.
Hoje eu só queria voltar a três meses atrás e reviver novamente cada segundo daquela noite.
Só isso. Seria pedir muito?

Beijos e me liga pra contar o que você quer hoje :*


PS1: Tava todo mundo comentando do tal tumblr. Eis que tomei coragem e fiz um essa semana. Não tá lá aquelas coisas né, mas tudo bem. Quem quiser entrar, o link vai estar aqui.
PS2: Comente, deixe sua marquinha aqui :)